TRANSPARÊNCIA

Para mobilizar, sempre partimos da ideia de respeitamos e valorizarmos cada pessoa e seu conhecimento. Defendemos o diálogo e a democracia em todas as situações pois TODOS tem muito à ensinar, uns aos outros. Por isso, atuamos de forma não leviana ou abstrata: cada pessoa é ÚNICA e tem seu direito de se expressar. Por isso, convidamos à todos que desejarem ter seus textos ou ideias publicadas em nosso BLOG, participem!

 

É dessa união que construiremos, sem dúvida alguma, uma sociedade melhor e mais HUMANA.

2010 ~ 2018 © ClaudioDiMauro.com.br   TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 

desenvolvido por

bácia hidrográfica do córrego lagoinha

da Redação

Sexta-feira, 2 de Outubro de 2015

Sem matérias relacionadas

  Após realizar várias atividades de campo com seus alunos da disciplina Planejamento e Gestão de Bacias Hidrográficas, Cláudio Di Mauro percorreu o córrego Lagoinha , em Uberlândia (MG), desde suas cabeceiras nas proximidades da BR 050 até seu cruzamento com a avenida Nicomedes.

 

  A construção do território mostra diferentes tempos. Nas cabeceiras a criação de gado e a existência de um local onde se realizam vendas de gado. É convívio nada harmônico entre o rural e o conjunto habitacional instalado. O gado bebendo do Lagoinha represado, a cachoeira no Jardim Inconfidência mostrando um córrego rico e que deveria ser aproveitado na "organização" do território urbano.

 

  Mas o que se vê na sequência: A avenida Nicomedes seccionou o córrego que está “encaixotado, entubado” em tubos e galerias de concreto. A pista de rolamento da avenida está sobre um enorme aterro. Esse local já se constituiu em uma área de afloramento do lençol freático que ocupava grande extensão. Os aterramentos soterraram as nascentes e a Área de Preservação Permanente (APP).

   Os riscos estruturais desse aterro se romper são nítidos, no mínimo em períodos longos de chuvas torrenciais poderá haver o “sangramento” com a água escoando por sobre a avenida e provocando situações de catástrofe. Trata-se de uma área urbana com vulnerabilidades e riscos socioambientais, portanto, promovidas pelas intervenções sócio-econômicas. Pequenas e médias obras de “urbanização” para atender interesses dos donos das terras, especuladores e incorporadores imobiliários. Assim fica demonstrada a triste e indevida visão sobre “desenvolvimento” na cidade.

clique nas imagens para amplia-lás

Agora queremos saber de VOCÊ: Qual a SUA OPINIÃO sobre essa matéria? Escreva. Opine. PARTICIPE!
E com a SUA ajuda que podemos deixar esse nosso sitio cada vez mais agradável aos nossos leitores